XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial

Dados do Trabalho


Título

RESPOSTAS DE MULHERES COM HISTÓRICO FAMILIAR DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E OBESIDADE A ESTÍMULOS MENTAL E FÍSICO

Introdução

<p>Amostras do sexo feminino têm sido negligenciadas ou subestimadas em estudos clínicos e experimentais, assim como nos estudos com foco na hereditariedade da hipertensão arterial (HAS), apesar da forte tendência a aumento da mortalidade cardiovascular entre as mulheres nos últimos anos.&nbsp;</p>

Objetivo

<p>Assim, avaliamos condições cardiovasculares, autonômicas e de estresse oxidativo na população feminina.</p>

Método

<p>Avaliamos 40 mulheres (18 a 30 anos), divididas em: grupos com histórico familiar negativo (FNE, n= 09) ou positivo (FHE, n=11) de HAS e eutróficos e grupos com histórico familiar negativo (FNO, n= 09) ou positivo (FHO, n= 11) de HAS com sobrepeso/obesidade. Foram submetidas a um estímulo mental, (aplicação do Stroop-Color Word Test / SCWT) e físico (Hand Grip / HG, 30% carga máxima por 90 segundos).&nbsp;</p>

Resultados

<p>Observamos na basal maior pressão arterial sistólica (PAS) e VAR-PAS no FNO (34,4 ± 9,3 mmHg²) e FHO (37,1 ± 8,3 mmHg²) em relação aos grupos eutróficos (FNE- 23,0 ± 7,0 mmHg² e FHE- 22,6 ± 8,8 mmHg²). Mas somente o FHO apresentou maior simpático vascular (BF abs da PAS) quando comparado aos grupos FNE e FHE. As respostas ao SCWT no 3º minuto nos grupos FNO e FHO aumentou exacerbadamente para a PAS comparados ao FNE e para a PAD no FHO comparado ao grupo FNE. Os grupos FHE, FNO e FHO também apresentaram maior VAR-PAS (FHE- 39,9 ± 10,7; FNO- 41,1 ± 12,9; FHO- 43,0 ± 14,7 vs. FNE- 24,1 ± 9,1 mmHg²) e BF abs PAS em relação ao FNE pós SCWT. No HG, observamos um aumento exacerbado da FC aos 90 segundos de HG no FNO comparado ao FNE, e no FHO em relação ao FNE e FHE. Houve ainda um aumento exacerbado da VAR PAS e da BF abs PAS no FHE e FHO comparados ao FNE pós HG. Apenas o FHO (6,6 ± 1,3 ms/mmHg) apresentou menor sensibilidade barorreflexa comparado ao FNE (10,3 ± 1,0 ms/mmHg) após o HG.</p>

Conclusão

<p>Concluindo, mulheres adultas jovens com histórico familiar de HAS e sobrepeso/obesidade já apresentavam em condições basais somada a alterações exacerbadas após estímulos fisiológicos, pior condição cardiovascular e prejuízo autonômico. No entanto, mulheres eutróficas com histórico positivo de HAS, apresentaram respostas cardiovascular e autonômica prejudicadas somente quando submetidas aos estímulos mental e físico. Esses achados sugerem que a avaliação da VFC e da VPA de forma não invasiva possa ser usadas como biomarcador precoce de disfunções associadas ao desenvolvimento da HAS em mulheres, principalmente expostas a fatores de risco genéticos ou ambientais.</p>

Palavras Chave

hipertensão arterial sistêmica, obesidade, sistema nervoso autônimo, variabilidade da frequência cardíaca

Área

Área Multiprofissional

Instituições

Universidade Nove de Julho-UNINOVE - São Paulo - Brasil

Autores

Ariane Viana, Danielle da Silva Dias, Thiago Lúcio dos Santos, Fernanda Cordoba Lanza, Fernanda Marciano Consolim-Colombo, Maria Cláudia Irigoyen, Kátia De Angelis