XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial

Dados do Trabalho


Título

COMPARAÇÃO DOS VALORES MÉDIOS DA PRESSÃO ARTERIAL NO PERÍODO PRÉ (2017-2019) E PÓS PANDEMIA (2022) E CONCIENTIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE HIPERTENSÃO– “CAMPANHA MENOS PRESSÃO” DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO – SBH

Introdução

<p>A Sociedade Brasileira de Hipertensão(SBH) realiza ações para incentivar cuidados com a saúde cardiovascular da população em parceria com a Internacional Society on Hypertension(ISH) e World on Hypertension Ligue(WHL) conjugadas em vários continentes conforme a May Measureament Month(MMM). Em dezembro de 2019 na cidade Wuhan na província de Hubei na China, a Organização Mundial de Saúde realizou o alerta quanto à presença de uma nova doença e em meados de março&nbsp;os casos de Covid-19 já haviam ultrapassado 214 mil em todo o mundo, sendo declarada situação de pandemia em 18 de março de 2020.&nbsp;</p>

<p>&nbsp;</p>

Objetivo

<p>Foi avaliar o comportamento da pressão arterial (PA) e o número de pessoas consciente do diagnóstico de HAS atendidas no período de 2017-2019 no Pré Pandemia e comparar com o período &nbsp;Pós Pandemia em 2022 Método: Estudo transversal, descritivo e prospectivo realizado nos anos de 2017, 2018 e 2019 (período pré-pandemia) e em 2022 (pós-pandemia) na cidade de São Paulo durante a &nbsp;Campanha Menos Pressão.&nbsp;</p>

Método

<p>A campanha é composta por ações multiprofissional constituída por oficinas da medição da pressão arterial (PA), de orientação da atividade física, de orientação nutricional e orientação psicológica. Para análise dos dados considerou-se as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão 2020.&nbsp;</p>

Resultados

<p>Foram atendidos no total 4558 sendo 50,3%(2292)homens, 49,7%(2292)mulheres com&nbsp;média de idade 50,0±16 anos. Com relação à hipertensão auto referida 800 (17,5%) participantes declararam ter o diagnóstico, de HAS&nbsp;e&nbsp;1599 (35,0%) estavam com a PA fora do controle; sendo que 2474 (54,2%) declararam ser normotensos e 687 (15,0%) afirmaram&nbsp;desconhecer o diagnóstico de HAS, no entanto destes 182 (4,0%)&nbsp;estavam com a PA alterada, portanto considerando o&nbsp;montante total (2656) observou-se que 799 (17,0%) estavam com a pressão alterada, Do total da população atendida em&nbsp;relação aos valores médio da PA no período Pré Pandemia para a&nbsp;Pressão Arterial Sistólica (PAS)&nbsp;era de149±16mmHg, para a Pressão Arterial Diastólica (PAD) era&nbsp; de&nbsp;91±11mmHg e a frequência cardíaca (FC)&nbsp;78±13bpm. Quanto aos valores médio no período de Pós-Pandemia identificou-se para a PAS&nbsp;153±16mmHg (p-0,0001), para a PAD&nbsp;90±11mmHg &nbsp;e FC 74±8bpm&nbsp;</p>

Conclusão

<p>Os dados refletem a epidemiologia no cenário brasileiro comparando o período pré e pós pandemia, sendo que observou-se&nbsp;piora significativa dos valores médios para a PAS, o qual&nbsp;aponta para o aumento do risco cardiovascular na população brasileira.</p>

Palavras Chave

Hipertensão Arterial; COVID 19; Pressão Arterial

Área

Ligas

Instituições

Escola de Educação Física e Esporte da USP EEFE-USP - São Paulo - Brasil, IInstituto do Coração InCor do Hospital das Clínicas da FMUSP - São Paulo - Brasil, Sociedade Brasileira de Hipertensão - SBH, São Paulo, SP, Brasil - São Paulo - Brasil, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - São Paulo - Brasil, Universidade Estadual Paulista UNESP - São Paulo - Brasil, Universidade Federal de São paulo - UNIFESP - São Paulo - Brasil

Autores

Grazia Maria Guerra, Teresa Bartholomeu, Frida Liane Plavnik, Katia De Angelis Lobo D'Avila, Heno Ferreira Lopes, Márcia Gowdak , Miriam Harumi Tsunemi, Sandra Lia Do Amaral Cardoso, Evandro Cesarino, Luiz Aparecido Bortolotto