XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial

Dados do Trabalho


Título

A massa gorda relativa é um melhor indicador de níveis pressóricos elevados quando comparado a outros medidas antropométricas?

Introdução

<p>A Massa Gorda Relativa (MGR) foi proposta recentemente e sua eficácia em relação a outras medidas&nbsp;antropométricas já consolidados quanto à capacidade preditiva de níveis pressóricos elevados (NPE), ainda não foi investigado.</p>

Objetivo

<p>Analisar a capacidade preditiva do índice MGR para NPE e compará-lo com outras medidas antropométricas.</p>

Método

<p>Utilizou-se dados de um estudo com universitários sobre fatores de risco cardiovascular. Fizeram parte deste estudo 896 universitários, na faixa etária de 18 a 39 anos. Foram mensuradas as medidas de massa corporal, estatura, perímetro do quadril, perímetro da cintura (PC) e perímetro do pescoço (PP) e calculados os índices de MGR, Índice de Massa Corporal (IMC), Índice de Adiposidade Corporal (IAC), Relação Cintura/Quadril (RCQ) e Relação Cintura/Estatura (RCE). A pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) foram medidas em uma única ocasião, seguindo as orientações da 7º Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Os dados foram analisados no Programa Stata 13.1 considerando estatisticamente significativo P &lt; 0,05. A associação foi verificada utilizando-se a correlação de Pearson, a Regressão Logística e a análise das curvas ROC (Receiver Operating Characteristic). Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos (58964616.4.0000.5153)</p>

Resultados

<p>A maior proporção dos avaliados era do sexo masculino (53,01%) e a média de idade foi de 22,16 ± 4,01anos. Comparados às mulheres, os homens apresentaram maiores &nbsp;proporções de IMC aumentado (p&lt;0,01), IAC (p&lt;0,01), RCQ (p=0,03), PAS (p&lt;0,01) e PAD (p&lt;0,01), enquanto as mulheres apresentaram maiores proporções de aumento da MGR &nbsp;(p&lt;0,01) e PC (p&lt;0,01).A proporção de níveis pressóricos elevados foi de 21,32%, sendo significativamente maior nos homens (34,68% p&lt;0,01).Houve correlação positiva (p&lt;0,01) entre todas as medidas antropométricas e PAS e PAD. No sexo masculino e no feminino, as correlações entre MGR e PAS e MGR e PAD foram maiores apenas entre aquelas observadas entre IAC e PAS, IAC e PAD, RCQ e PAS e RCQ e PAD (p&lt;0,01 para todos). Após ajuste por idade, o PC no sexo masculino (OR 3,66 IC 95% 2,28 – 5.08) e o IMC no sexo feminino (OR 5,06 IC 95% 2,67 – 9,59) foram as medidas com maior força de associação. Não houve diferença estatística (p&gt;0,05) na área sob a curva.</p>

Conclusão

<p>Os achados do nosso estudo sugerem que a MGR&nbsp;não é o melhor índice para predizer NPE, embora tenha mostrado associações positivas.</p>

Palavras Chave

Pressão arterial
Antropometria
Adultos

Área

Área Básica

Instituições

Universidade Federal de Viçosa - Minas Gerais - Brasil

Autores

Wellington Segheto, Nádia Vieira Alves Alvarenga, Amanda Botelho Franco, Marisa Assis Almeida, Luciana Moreira Lima