XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial

Dados do Trabalho


Título

ESTUDO DE COORTE EM PACIENTES COM CRISE HIPERTENSIVA: CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E DESFECHOS APÓS 30 DIAS.

Introdução

<p>Hipertensão arterial é uma das principais causas de mortalidade.Como complicação, a crise hipertensiva caracterizada por emergência hipertensiva onde há lesão de órgãos-alvo ou urgência sem lesões de órgãos-alvo, pode ocasionar danos irreversíveis levando à morte.</p>

Objetivo

<p>Caracterizar pacientes com crise hipertensiva e investigar eventos cardiovasculares após 30 dias do evento hipertensivo</p>

Método

<p>Estudo de coorte com 583 pacientes atendidos (agosto de 2020 a julho de 2021), em serviço de emergência de um hospital cardiológico em São Paulo.Inclusão:idade≥18 anos, pressão sistólica≥180 mmHg e/ou diastólica≥120mmHg,com contato telefônico.Foi realizado consulta em prontuário eletrônico para identificar pacientes elegíveis, após foram incluídos na plataforma REDCap e 30 dias do evento hipertensivo foi feito entrevista por telefone para investigar eventos cardíacos</p>

Resultados

<p>A maioria eram&nbsp;mulheres(53%), 66.6(13.8)anos, etnia branca(78.7%),casados(50.8%),IMC na faixa de sobrepeso(39.4%).A média da pressão sistólica/diastólica era 189,7(16,9)/99,3(19,8) mmHg.Urgência hipertensiva correspondeu 63.6%, emergência 27.4%,8.9% não foi possível classificar.Os sintomas foram:dor torácica(41.4%), dispneia(34.4%), distúrbios gástricos(20.2%),dor irradiada(13.8%).O tratamento foi:antiplaquetário(35.1%),diurético(28.4%),analgésico(25.3%),inibidor da ECA(23.8%).Exames realizados:eletrocardiograma(71.4%),ecocardiograma(36.4%), tomografia(30.9%).Quanto ao destino, recebeu alta 59.6% e 36.1% foram internados.Comorbidades:97.5% tinha hipertensão arterial, 62.1% dislipidemia, 43.7% diabetes mellitus, 29.7% infarto do miocárdio, 21.9% insuficiência cardíaca.Após 30 dias do evento hipertensivo,3.2% realizou cateterismo cardíaco,2.6% teve parada cardíaca, 1.6% infarto do miocárdio,1% acidente vascular encefálico, 1% realizou revascularização miocárdica.Retornou em serviços de saúde por pressão arterial elevada&nbsp;52%, e 11.5% necessitou internar.Procurou serviços por outros motivos 63.3% por aneurisma de aorta, covid, convulsão, e 38.9% necessitou internar.A maioria (82.5% e 87.3%) procurou pronto-socorro por pressão elevada&nbsp;e por outros motivos, seguido de ambulatório médico (16.6% e 15.7%) por pressão elevada&nbsp;e outros motivos, respectivamente.Após 30 dias 2.6% foi à óbito por aneurisma de aorta,acidente vascular encefálico,covid,edema agudo de pulmão.</p>

Conclusão

<p>Foi possível identificar&nbsp;eventos cardíacos após o evento hipertensivo, mostrando a necessidade de intervenções para prevenir a crise hipertensiva e suas complicações.</p>

Palavras Chave

Área

Área Multiprofissional

Autores

CARIME FARAH FLORIDO, Angela Maria Geraldo Pierin